sábado, 4 de março de 2017

"Vaneuer" contra deus grego

Guarda-redes brasileiro já comparado ao alemão do Bayern e agora quer parar Mitroglou # Viveu época de sonho no ABC e inspiração não lhe tem faltado no passado recente

Paredão no ABC, de Natal, glorificado na despedida, chorado por alguns, Vaná tem feito notar a sua influencia no Feirense, acentuada desde a entrada de Nuno Manta, tendo sido batido apenas por cinco vezes em nove jogos para a Liga sob o comando do sucessor de José Mota.

Gozando a primeira experiência na Europa, o guarda-redes brasileiro, de 25 anos, tem coleccionado distinções de melhor em campo - 4 que se podem encontrar no ranking de A BOLA  e número superior a qualquer outro guardião - e o jogo com o Benfica projecta-o para um campo de visibilidade difícil de equiparar, pois terá pela frente o ataque mais feroz da época, o líder do Campeonato, e o avançado mais temível das últimas jornadas, o grego Mitroglou.

Factos salientes que fazem disparar a motivação de Vaná, cheio de proezas na época em curso, depois de ter reclamado papel principal e destronando o compatriota Peçanha da baliza dos fogaceiros. O Feirense ganhou segurança e após a chicotada suprema organização defensiva e um imponente líder.

Olhando à notável recuperação dos azuis, Vaná é um manifesto protagonista das mudanças e da lavagem de cara da equipa de Santa Maria da Feira com Nuno Manta, que assume, agora, como osso duro de roer num encontro crucial.

Empolgado por mais uma exibição de gala na Choupana, Vaná, que perdeu amigos na tragédia que envolveu a Chapecoense, vai estrear-se frente ao Benfica, já que conquistou o lugar na baliza precisamente após o jogo da Luz, na primeira volta.

Na cabeça do brasileiro perante missão de dificuldade extraordinária reside a vontade de resgatar outra das suas famoas alcunhas no Brasil, a de Vaneuer, que lhe foi dada pelo treinador Marquinhos Santos, no Coritiba, pelo seu hábil jogo de pés e facilidade de trocar a bola em zonas adiantadas, recomendadas a um libero.

FLÁVIO.
O brasileiro está de regresso e deve ser reconduzido ao onze, face à brilhante ficha de serviços desde que agarrou lugar.

FALTA PLATINY.
O avançado brasileiro continua ausente, por lesão, sendo a baixa mais significativa no plantel.

Temos pontos fortes

"A equipa do Feirense tem muitos pontos fortes, que passam pela sua capacidade de trabalho e organização. Temos mostrado isso nos jogos e frente ao Benfica isso não muda. É 11 contra 11...

Poderio do Benfica

"O Benfica é muito forte, individual e colectivamente. Tem 57 pontos, duas derrotas e três empates, o que implica ser uma equipa que estuda muito bem os adversários. Isso é trabalho do seu técnico.

Mais que Mitroglou

"Não podemos estar unicamente focados no Mitroglou. Sabemos que é ele que tem marcado boa parte dos golos, mas a é equipa que trabalha para que isso aconteça.

A quatro pontos da tranquilidade

Pela segunda volta já cumprida, fogaceiros seriam 4º classificados na Liga

Em grande estilo com Nuno Manta, o Feirense aproxima-se de um marco na sua história, podendo assinar em 2016/2017 a primeira permanência na Liga, o que não logrou nas quatro anteriores presenças. Os actuais 26 pontos, acrescentados de um fôlego de 10 para os lugares de descida, deixam perceber que só uma catástrofe no que falta do Campeonato poderá perturbar a meta tão almejada e seguramente certificada nos 30 pontos.

Filho da terra, Nuno Manta não tremeu com as responsabilidades e fintou a falta de experiência para empurrar os fogaceiros para uma posição bem mais desafogada, oferecendo 15 pontos em 27 possíveis, num total de nove jogos como treinador do Feirense. A campanha dos azuis da Feira ganha ainda mais relevo pela ainda curta mas vibrante segunda volta, com um total de 11 pontos em 18, que deixariam a equipa de Nuno Manta num excepcional 4º lugar, apenas atrás de FC Porto, Benfica e Sporting.

Um travão forte para o titulo em 1989/90

Decorria a época 89/90 quando o Feirense pôs de lado a timidez para travar o Benfica no Marcolino Castro. Essa foi a única vez que o Benfica tropeçou em quatro passagens por Santa Maria da Feira. Com Sven Goran Eriksson ao leme, os encarnados ainda se adiantaram com um golo de Magnusson mas João Luís firmou o empate, atrasando as águias na corrida por um título perdido para o FC Porto. Além do sueco, o Benfica contava com Chalana, Vata, Vítor Paneira, Pacheco e César Brito. No Feirense jogava Pedro Martins...

in: jornal  A BOLA

Sem comentários: