sábado, 22 de abril de 2017

«Objectivo é atingir a Europa no espaço de cinco anos»

O presidente da SAD do Feirense concede pela primeira vez uma entrevista em Portugal. O empresário nigeriano de 51 anos fala de si, dos seus diferentes negócios, do investimento no clube, do momento complicado de Dezembro, da aposta no treinador Nuno Manta e de todo um percurso iniciado ainda antes de 2015...
foto: CD Feirense
Quando assumiu a decisão de investir no futebol português, porquê especificamente colocar o seu dinheiro num clube como o Feirense?
- Portugal é, provavelmente, a nação europeia que mais parecenças tem a África. As pessoas, a comida, não há racismo. também é o país que coloca menos dificuldade à entrada do futebolista africano. por último, pelo meu parceiro de negócios, Tiago Calisto. Foi uma decisão difícil.

Qual o seu objectivo com este investimento?
- Tal como qualquer investimento o derradeiro objectivo é... fazer dinheiro. Mas para se chegar a esse ponto há muitos passos a percorrer. Este é um projeto de cinco anos. Será uma longa e árdua jornada. Estamos preparados e definimos estratégias para isso.

Sentiu necessidade de mudar alguma coisa no clube desde que em em outibro de 2015 assumiu 70 por cento da SAD?
- Não necessariamente. Tiago Calisto apresentou-me clubes de Liga 2 e da 2ª Divisão, mas o Feirense foi um apelo imenso. Quando constatei a localização próxima de um aeroporto e as boas estruturas do clube tomei uma decisão. Era este o clube que pretendia.

Esperava este tipo de sucesso, com resultados históricos, como a inédita permanência do Feirense na Liga?
- Sim. Analisei o clube e vi que nas cinco épocas anteriores andava próximo da subida ou subiu e desceu. Tinha a ideia de que com investimento financeiro a subida era possível e a permanência também. Juntámos muito trabalho e também tivemos alguma sorte...

Em Dezembro o clube passou por momentos difíceis. Passou por si a escolha de Nuno Manta como sucessor de José Mota?
- Claro! Sou eu o presidente da SAD. Tudo surge na minha mesa. Tenho de ser franco. Quando José Mota saiu tivemos de procurar treinador e a opção por Nuno Manta não me parecia apelativa... Ele estava no clube há 19 anos e as pessoas que me antecederam nunca apostaram nele, com inúmeras mudanças de treinador. Dava a sensação de que não era bom o suficiente. Entretanto, no espaço de duas semanas, jogámos três vezes, e senti que havia ali qualquer coisa de qualidade no primeiro jogo, mais alguma no segundo e, então, no exame final, foi o empate frente ao FC Porto. Era óbvia a minha decisão. Fiquei confiante que era este o treinador que pretendíamos. Não pelos resultados, mas pela forma como a equipa jogava. Arrisquei nele. E já tínhamos falado com outros treinadores... Foi uma boa decisão.

O que disse a Nuno Manta quando o encontrou pessoalmente na semana passada?
- Dei-lhe os parabéns pelo excelente trabalho que desenvolveu, no primeiro ano à frente da equipa principal, em condições complicadas. E falei-lhe do projecto a longo prazo e que precisávamos de parceiros que partilhassem a nossa visão. Consolidar posição, subir um pouco mais na segunda época de Liga, etc... Mostrei uma visão clara do que queremos alcançar.

Foi fácil a negociação para renovação do contrato por dois anos? Com certeza haveria outros interessados no treinador...
- Nuno Manta não é apenas um bom treinador. É um grande homem. Tenho a certeza de que está agradecido por lhe termos dado esta oportunidade e, além disso, é feirense do coração. Era o sonho dele... Houve algumas distracções, uns telefonemas, mas não tivemos problemas.

Onde pretende colocar o Feirense daqui a cinco anos?
- O objectivo é atingir a Europa em cinco anos. Estamos no caminho certo.

Na 1ª pessoa

  • NEGÓCIOS
Estou envolvido em agricultura, empresa de apostas, imobiliário e futebol. A ligação? A oportunidade de realizar dinheiro.

  • INVESTIMENTO
Sinto-me confortável a investir em Portugal. E já estou a investir mais....

  • DESAFIO
Já fui abordado por pessoas para vender a minha parte do Feirense. A minha resposta foi não. É um desafio...

  • "FEELING"
Há intuição nos meus negócios. Há coisas que não se consegue explicar, mas que nos atraem... Feirense foi feeling.

  • NO TERRENO
Sem dúvida que abri as portas de Portugal a outros investidores africanos. Dois amigos meus já estão no terreno...

  • PATRIOTA
Gostaria de trazer os melhores jogadores nigerianos. Aqui, os jovens evoluem imenso. É uma questão patriótica de melhorar a selecção da Nigéria.

  • ETEBO
Etebo é um jovem. Tem potencial para os 10 melhores clubes do mundo. Ainda não é o momento certo de o transferir.

  • DESCONFIANÇA
Não fiquei aborrecido pela desconfiança dos adeptos do Feirense. Agora é diferente e no futuro será melhor.

  • GANHAR
Já empatamos com o FC Porto. É possível ganhar no Dragão. Este jogo vai ficar 1-2.

  • 'STREAMING'
Sigo todos os jogos do Feirense pela Net.

  • 'MATCH-FIXING'
Acompanhei o caso do Feirense - Rio Ave. Estrapolou-se o assunto. Quem faz match-fixing não aposta tudo de uma vez, lança várias apostas pequenas para disfarçar. E quem perde dinheiro são as casas de apostas, como a minha.

  • STOCKE CITY
Não sou o único empresário de apostas com um clube. Vejam o exemplo do Stocke City, de Peter Coates, da Bet365.

"Analisei o clube e achei que com algum investimento o Feirense poderia ter sucesso

"Houve muitas mudanças de treinador no clube, mas só agora alguém apostou em Nuno Manta
in: jornal A BOLA
PEDRO BARROS

Sem comentários: