quarta-feira, 5 de julho de 2017

Briseño e Luís Henrique, duas jovens promessas que procuram redenção no Feirense

Scouting do Feirense surpreende e concede segunda vida desportiva a jovens promessas caídas em descrédito

Antonio Briseño e Luis Henrique são os mais recentes reforços do Feirense, duas transferências que surpreenderam pelo inesperado. Às ordens de Nuno Manta voltam a estar jogadores que, em tempos, haviam sido ligados a alguns dos maiores clubes do futebol europeu. Mais uma vez o Feirense surpreendeu e, ao Bancada, o clube garantiu que o esforço não advém de qualquer jogada de empresários mas do rigor e trabalho de observação da equipa de scouting do clube que tem vários outros jovens promissores debaixo de olho. Ao Bancada, garantem, anteciparam-se a diversos outros clubes – quer de Portugal, quer europeus/mundiais - de forma a garantir as chegadas de Briseño e Luis Henrique ao Marcolino de Castro.

Tal como aconteceu já em 2016 com Etebo quando o nigeriano, medalha de bronze pela Nigéria nos Jogos Olímpicos de 2016 e que, meses antes, esteve muito próximo de assinar pela Udinese. Mais que isso, um Etebo que em 2015 foi eleito o jogador mais promissor do ano para a Confederação Africana de Futebol. Contratações feitas em conjunto com a equipa técnica e que visam suprir as debilidades no plantel fogaceiro. Luis Henrique substituindo Karamanos que regressou ao Olympiacos de onde chegou emprestado na temporada passada e, Briseño, de forma a evitar que o Feirense volte a ter de jogar com Babanco na posição central da defesa como sucedeu no último encontro da temporada passada.

"El Pollo" Briseño, o antigo "novo Rafa Márquez"
Antonio Briseño chegou ao Feirense depois de vários anos a ser apontado como o novo Rafa Márquez. Não apenas pelo seu perfil de liderança e posição em campo, mas também por ser um produto das escolas do Atlas, historicamente, uma das melhores do México. "El Pollo", como é apelidado, chegou à equipa principal do Atlas ainda com 17 anos e sempre se destacou pela maturidade que mostrou em campo. Uma maturidade que o levou a liderar a equipa mexicana sub-17 rumo ao título mundial em 2011. Briseño foi mais uma vez o capitão mexicano da equipa que disputou o Mundial Sub-20 dois anos depois e que acabou por cair aos pés da Espanha nos oitavos de final da prova.

Apesar da reputação que Briseño ganhou no futebol jovem mexicano, o central nunca foi aposta regular do Atlas na sua ascensão ao futebol sénior. Muitas convocações para o banco durante as temporadas 2011/12, 2012/13 e 2013/14, mas poucas titularidades e minutos em campo. A escassa utilização de Briseño na sua fase inicial da carreira não beliscou a sua reputação e, mesmo tendo isso em conta, o Tigres contratou o central em 2014. Mesmo num dos candidatos ao título mexicano e com um técnico conhecido por pouco apostar nos jovens – Tuca Ferretti -, Briseño ganhou algum espaço na equipa de Nuevo León mesmo não se tornando imediatamente, ou alguma vez, um titular absoluto da equipa felina. Briseño passou duas temporadas ao serviço do Tigres, sagrando-se campeão mexicano em 2015.

A afirmação de Antonio Briseño no futebol sénior não foi tão rápida quanto a esperada. Contudo, em 2016/17, "El Pollo", por fim, encontrou o seu espaço e tanto durante os torneios Apertura como Clausura, foi aposta regular nas equipas que representou. Ambas, por empréstimo do Tigres. No Torneio Apertura, Briseño foi titular absoluto ao serviço do Juarez da Liga Ascenso (2ª Divisão mexicana), onde recuperou a sua melhor condição física e desportiva, assumindo-se como titular no Veracruz da Liga MX (1ª divisão do futebol mexicano) onde participou em treze dos dezessete encontros da equipa de Veracruz.

Briseño chegou agora a Portugal e tornou-se no primeiro mexicano a integrar a equipa do Feirense. Prometeu garra e empenho, com a imprensa mexicana a destacar o falhanço das negociações entre jogador e Veracruz como catalizador da experiência europeia. Em comunicado, foi o próprio clube de Veracruz a confirmar a não continuidade de Briseño no clube. Sem lugar no plantel do Tigres, Briseño procura agora dar outro impulso à sua carreira com a chegada a Portugal e confirmar o crédito que lhe era dado ainda em idades precoces.

Luís Henrique, a grande promessa brasileira que procura a redenção futebolística no Marcolino de Castro
A ascensão futebolística de Luís Henrique foi tão repentina que, hoje, é ele próprio o seu grande inimigo. Em Santa Maria da Feira, Luís Henrique procura a redenção futebolística. Bernardo Gentile, jornalista do UOL Esporte, ajuda-nos a perceber como é que um jogador que há cerca de alguns meses era apontado a alguns dos principais clubes europeus, acabou esta semana a assinar pelo Feirense.

"Luís Henrique chegou ao futebol profissional ainda com 16 anos e na estreia marcou dois golos. Chegou já com grande expetativas em cima pelo seu desempenho nos escalões jovens. Foi um sucesso muito repentino e como todos os jovens, oscilou", conta-nos Bernardo Gentile. A sua ascensão repentina na equipa do Botafogo não lhe fez bem. Em 2014/15, a jogar a Série B brasileira, Luís Henrique até começou a época como titular no histórico clube do Rio de Janeiro mas à medida que a temporada avançou, perdeu protagonismo. "Aí não mostrou ter maturidade, algo normal para a sua idade. Mesmo assim, sempre demonstrou muita confiança, confiança que, por vezes, roçou a arrogância", avalia Gentile.

"O sucesso subiu à cabeça de Luís Henrique e o seu rendimento caiu a cada jogo", diz-nos ainda o jornalista o UOL Esporte. Algo que explica a colocação de Luís Henrique no Atlético Paranaense, mesmo tendo em conta o seu futuro promissor. O Botafogo ainda tentou fazer regressar Luís Henrique aos seus escalões jovem, mas o jogador recusou. "Ele já se considerava um fenómeno do futebol brasileiro, algo que o seu staff lhe repetia regularmente. O seu contrato foi chegando ao fim e o Botafogo não quis pagar o que Luís Henrique exigia. Achou sempre surreal. Conseguiu arranjar um acordo com o Atlético-PR mantendo parte dos seus direitos desportivos". A experiência em Coritiba, porém, durou pouco. Apenas seis meses e terminou sem Luís Henrique conseguir fazer qualquer golo pelo clube. Gentile resume facilmente a carreira do jovem avançado: "Luís Henrique deslumbrou-se com o sucesso". "O Botafogo podia tê-lo trazido de volta após a rescisão com o Atlético mas recusou e o Luís Henrique tornou-se um jogador livre", conclui.

Em Santa Maria da Feira, Luís Henrique procura agora relançar uma carreira que, em tempos, se vislumbrou dourada. Há alguns meses, aquando da sua explosão repentina no Botafogo, o avançado hoje reforço do Feirense chegou mesmo a ser apontado a clubes como a AS Roma, o Arsenal ou a Juventus. Contudo, a sua carreira tomou um rumo totalmente oposto. "Com todo o respeito ao Feirense, este foi o clube possível para Luís Henrique nesta fase da sua carreira", desabafa ao Bancada Bernardo Gentile.

Sobre o jogador, Gentile define-o como um "avançado de ruturas, veloz, mas com pouca técnica na progressão com bola", características que parecem, ainda assim, encaixar no estilo de jogo da equipa fogaceira. "É um avançado com faro de golo e tem uma finalização muito boa mas como subiu aos séniores com 16 anos não assimilou devidamente alguns fundamentos do jogo. O domínio de bola, por exemplo" avalia Gentile. Resumindo? "Luís Henrique é um jogador promissor, de enorme potencial, mas que acha que já é craque e está longe disso", conclui o jornalista do UOL Esporte ao Bancada. 

in: Bancada.pt

Sem comentários:

DESTAQUES

ANDEBOL | Feirense ‘esmaga’ Moimenta da Beira