segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Feirense-Tondela, 1-1 | Ponto ajustado pela vontade mútua

Feirense e Tondela somaram um ponto no arranque da Liga. Um empate justificado pela luta mútua dentro das quatro linhas e pela inspiração dos guarda-redes - Caio Secco de um lado e Cláudio Ramos do outro – que disseram não a vários lances de golo certos no Estádio Marcolino de Castro.
foto: MaisFutebol
O Feirense apresentou-se em 4x2x3x1 apenas com uma cara nova no onze, o guardião Caio Secco, enquanto Pepa, no mesmo esquema, apostou nos reforços Ricardo Costa e Tyler Boyd de início. Ambos os conjuntos entraram com vontade de somar três pontos e, com alguns erros mas a ritmo intenso, fogaceiros e beirões entraram ao ataque, numa primeira parte de parada e resposta sucessiva que permitiu brilho aos homens da baliza.

O primeiro sinal de perigo foi do Feirense. Etebo, aos cinco minutos, entrou na área e obrigou Cláudio Ramos a defesa difícil com os pés. Do outro lado, a resposta, tímida, até surgiu em forma de golo: num livre de Murilo, Osorio cabeceou com êxito, mas foi apanhado em posição irregular. Não tardaram, contudo, novas investidas do Tondela. Pedro Nuno, lançado por Heliardo, viu Caio negar o primeiro e, pouco depois, só o poste impediu o médio cedido pelo Benfica de ser feliz num livre direto.

Com alguns espaços concedidos a meio campo de parte a parte, o Feirense sentiu a ameaça e relançou-se ao ataque. Etebo tentou o desvio (27m) evitado por Cláudio Ramos, que, no lance seguinte veria o seu colega, Murilo, cruzar e contar com um desvio infeliz de Cris Santos para o primeiro autogolo da liga 2017/2018. Os visitantes estavam na frente.

Na resposta, Cláudio Ramos voltou a fazer das suas, assinando uma das defesas da tarde a remate de Babanco (32m). Em vantagem, o Tondela soltou-se e galgou metros à boleia de Pedro Nuno e Murilo, mas nada mais mudaria até ao descanso.

No recomeço, sem alterações nos onzes, o Feirense entrou globalmente mais astuto, ativo na procura do empate. E foi com alguma naturalidade que surgiu a igualdade. Num livre de Tiago Silva, Hugo Seco - preponderante na retoma fogaceira - aproveitou o corte de Hélder Tavares na área para bater Cláudio Ramos.

Os minutos que se seguiram ao golo foram mexidos, jogados com expetativa, mas a partir da hora de jogo as coisas acalmaram. Nuno Manta e Pepa reajustaram posições e operaram mudanças na procura de novo golo, mas que anularam ações ofensivas.

Tomané, recém-entrado, entrou com fulgor, mas faltou pontaria em três ocasiões. Com menos espaços no último terço, foi na sequência de pontapés de canto que Feirense e Tondela espreitaram o tão desejado golo da vitória que não surgiu. Ricardo Costa (69m), cabeceou pouco por cima. Do outro lado, o remate de Etebo levava selo de golo, mas a bola esbarrou no peito de Tomané.

Apesar da vontade mútua, desfecho ajustado em Santa Maria da Feira. Ninguém merecia sair sem pontos.

in: MaisFutebol

Sem comentários:

DESTAQUES

CICLISMO | A equipa do Vito-Feirense – BlackJack