terça-feira, 8 de maio de 2018

“Nesta poucos acreditavam”

Edgar Pinto com a camisola de líder da Volta a Madrid
Edgar Pinto salientou a O JOGO o orgulho de levar a modesta Vito-Feirense a uma vitória internacional

Tem 32 anos, é um dos melhores corredores portugueses da sua geração e no domingo conquistou a Volta a Madrid com as cores de uma equipa pequena. A carreira dos feirenses é uma das novidades do ano


Num fim de semana com campeões em várias modalidades e alguns sucessos memoráveis - como o do tenista João Sousa -, Edgar Pinto passou um pouco despercebido. No entanto, o corredor da Vito-Feirense-BlackJack destacou-se em Espanha e obteve não só a sua maior vitória como uma das mais interessantes do ciclismo nacional. A Volta à Comunidade de Madrid foi celebrada no último de três dias de prova, ja depois de Pinto ter ganho a etapa inaugural.

"Foi uma grande celebração, confesso", disse a O JOGO já no autocarro, de regresso a Portugal. E não era para menos, após a exibição da formação portuguesa. "Foi uma vitória importante para todos nós. Numa altura em que poucos acreditavam e numa prova que poucos acreditavam", revela Pinto. O versátil corredor de 32 anos estava convicto de que poderia conseguir um bom resultado, para o qual diz muito ter contribuído a vitória na primeira tirada, a única que fez diferenças no pelotão. "Sabia que estava bem, a subir de forma. Tinha-mos definido que tanto eu como o Xuban Errazkin poderíamos lutar pela vitória. Éramos os líderes, mas como ganhei uma etapa sabia que estava em vantagem para agarrar a geral", indicou.

Edgar Pinto entrou no palmarés de uma prova onde só constava outro nome português, o de Rui Costa, venceu em 2011, pela Movistar. Sem comparar o feito, Edgar Pinto sabe que a Vito-Feirense-BlackJack superou equipas como essa mesmo Movistar. "Estou feliz por conquistar, em Madrid e numa equipa pequena, este êxito. Sem comparar-me com o Rui Costa, reconheço que é uma honra ganhar em Espanha", finalizou.

A MELHOR ÉPOCA ATÉ AGORA

Natural de Albergaria, Edgar Pinto esteve muitos anos na LA Alumínios, fez duas épocas na Skydive Dubai e procura na Vito-Feirense fazer a melhor temporada da carreira, levando já três triunfos (etapa Volta ao Alentejo e etapa geral em Madrid), isto depois de um jejum de grandes êxitos desde 2014, ano em que ganhou a etapa da Volta a Portugal em Mondim de Basto e foi quinto da geral. "Entrei bem colocado e só tinha de chegar dois lugares adiante de do Fábio Duarte", disse sobre o sprint na La Castellana, em Madrid, onde um quinto lugar bastou para tirar a liderança ao rival da Manzana.


in: jornal O JOGO
FREDERICO BÁRTOLO

Sem comentários:

DESTAQUES

“Não havia margem para erros, mas a relação no Feirense foi espetacular e com resultados”

foto: jornal Correio da Feira Susana Torres, mental coach (alta performance em desporto) Como é que alguém de Gestão e que trabalho...