segunda-feira, 11 de junho de 2018

Hipótese de ser campeão pesou

Luís Rocha transferiu-se para o Dínamo Minsk
O central só chegou à I Liga aos 29 anos, pelas mãos do Feirense e após duas épocas a fazer história no clube de Santa Maria da Feira, terminou contrato e decidiu emigrar pela primeira vez na carreira


Luís Rocha vai para a Bielorrússia para representar o Dínamo Minsk e com o objetivo de destronar o Bate Borisov, que vence a liga há 12 anos seguidos


Luís Rocha viaja hoje para a Bielorrússia e, antes de partir, aceitou dar uma entrevista a O JOGO para falar da nova aventura no Dínamo Minsk, clube pelo qual assinou por duas épocas, tendo feito também um agradecimento ao Feirense.


Como surgiu a oportunidade do Dínamo Minsk?
- Surgiu na última semana do campeonato, antes do jogo com o Estoril. Os responsáveis do Dínamo Minsk viram esse jogo, gostaram de mim e as negociações decorreram a partir daí.

Quantas propostas teve?
- Houve algumas sondagens do Chipre e de Portugal, mas nada de concreto.

O que conhece do novo clube e da Bielorrússia?
- É um país desconhecido para mim, só lá fui para assinar contrato. Estive quatro dias na Bielorrússia, achei Minsk, que é a capital, uma cidade espetacular. Fui ver um jogo contra o Bate Borisov [perderam 1-0], gostei da equipa e do ambiente. Dentro de um mês vão inaugurar um estádio novo e isso demonstra que o clube está a investir em novas infraestruturas e a crescer.

Estava em fim de contrato, alguém do Feirense o abordou para renovar?
- Houve conversações, mas nunca por parte da SAD, por isso nunca houve qualquer proposta de renovação. Como acabava o contrato, tive de fazer a minha vida…

Um dos objetivos era aventurar-se pela primeira vez no estrangeiro ou continuar cá?
- Um jogador da minha idade - vou fazer 32 anos em agosto - já é considerado velho e os valores a receber no estrangeiro não se comparam aos daqui. Não escondo que as questões financeiras também contam. A oportunidade de experimentar um novo campeonato e de lutar por títulos também pesaram bastante.

O que espera deste desafio? Está parado há um mês, isso vai dificultar?
- Vou ter de fazer uma adaptação porque será uma realidade diferente e espero consegui-lo o mais rápido possível, pois o campeonato já está em andamento. Vou ter uma curta pré-época de 15 dias para ganhar ritmo e depois espero afirmar-me na equipa e atingir os objetivos, que passam por tentar ser campeão, ganhar títulos e ultrapassar as eliminatórias para chegar à fase de grupos da Liga Europa.

O facto de ser o único português é prejudicial?
- Na Bielorrússia não há a disciplina de inglês na escola. Há sempre jogadores que conseguem falar o inglês. Desenrasco-me. Ao inicio será difícil, mas a linguagem do futebol é universal.

A liga bielorussa vai na décima jornada e o Dínamo Minsk está em segundo lugar, a dois pontos do líder Bate Borisov
Agradecimento a Mota, Manta e aos cinco golos que “ajudaram”

Luís Rocha foi o segundo melhor marcador do Feirense, com cinco golos na I Liga, só atrás de João Silva (seis) e se analisarmos todos os centrais, o defesa ficou também em segundo, empatado com Marcano e atrás de Raúl Silva, que fez mais um, números que o ajudaram a mudar-se para o Dínamo Minsk.

“O Feirense foi uma grande rampa para a minha carreira, se não o fosse, este passo não se concretizaria. Um central que marca golos ajuda sempre e as pessoas, quando veem as estatísticas e leem os jornais, reparam nisso”, revelou, agradecendo a José Mota e Nuno Manta. “Quero dar uma palavra especial ao José Mota porque foi ele que me quis e abriu as portas da I Liga. Foi um orgulho ter feito história com o Nuno Manta, que surpreendeu com duas permanências inéditas.”


LUÍS ROCHA DIZ

"Quero dar uma palavra especial ao José Mota porque foi ele que me quis e abriu as portas da I Liga. Foi um enorme orgulho fazer história pelo Feirense"

"O Dínamo Minsk quer ser campeão, algo que já não acontece há 14 anos"

"Vou ter uma curta pré-época de 15 dias para ganhar ritmo e depois espero afirmar-me na equipa"

"O Feirense foi uma grande rampa para a minha carreira, se não o fosse, este passo não se concretizaria"

in: jornal O JOGO
André Bastos

Sem comentários:

DESTAQUES

“Não havia margem para erros, mas a relação no Feirense foi espetacular e com resultados”

foto: jornal Correio da Feira Susana Torres, mental coach (alta performance em desporto) Como é que alguém de Gestão e que trabalho...